PÁGINA INICIAL
NOTICIAS
 

Veja os alimentos vilões dos preços na quarentena e como substituí-los

Publicado em: 24/05/2020

 

 A alimentação fora de casa, por sua vez, passou de 0,51% em março para 0,76% em abril, influenciada pela alta do lanche (3,07%) 

 Para dar um alívio na mesa dos brasileiros, as carnes (-2,01%) apresentaram queda pelo quarto mês consecutivo, desta vez mais intensa que a do mês anterior (-0,30%)

A alimentação no domicílio passou de 1,40% em março para 2,24% em abril. "Há uma relação da restrição de oferta, natural nos primeiros meses do ano, e do aumento da demanda provocado pela pandemia de covid-19, com as pessoas indo mais ao mercado, cozinhando mais em casa", explica o gerente da pesquisa do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE, Pedro Kislanov 

A líder do aumento de preço, a cebola registrou alta de 34,83%. A queridinha dos refogados na maioria das receitas preferidas dos brasileiros pode ser substituída por outras iguarias, como salsinha, alho, alho-poró e talos de outros legumes

A batata-inglesa teve um aumento de 22,81%. Como alternativas para substituição no prato estão a batata-doce, inhame, cará, abóbora e mandioquinha (apesar de nem sempre estar mais barata). O arroz, apesar de não ser um legume, também pode ser uma opção mais em conta no prato porque faz parte do mesmo grupo de carboidratos

Mais arroz e menos feijão no prato. O feijão-carioca subiu 17,29% em abril. Como alternativa estão a lentilha, ervilha e grão de bico. Mas outra dica é variar o tipo do feijão que esteja com o melhor preço, como preto, vermelho, branco, fradinho, de corda etc

O leite longa vida também se destacou entre os que tiveram aumento. O preço variou 9,59%. Para substituí-lo, a dica é consumir outros produtos lácteos, como queijos e iogurtes. Outra opção é o leite em pó que pode render um pouco mais

A alimentação fora de casa, por sua vez, passou de 0,51% em março para 0,76% em abril, influenciada pela alta do lanche (3,07%) 

Para dar um alívio na mesa dos brasileiros, as carnes (-2,01%) apresentaram queda pelo quarto mês consecutivo, desta vez mais intensa que a do mês anterior (-0,30%)

RECOMENDAÇÃO:

Ovos e frangos permaneceram com preços estáveis e podem sem consumidos sem culpa, a cultura popular diz que ovos não devem ser consumidos em excesso, mas estudos apontam que é uma rica fonte de proteína e vitaminas, como é um alimento de digestão lenta, mantem o organismo por mais tempo sem sentir fome e não causam mal à saúde

Fonte: R7

Mais fotos

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE