PÁGINA INICIAL
NOTICIAS
 

Governo do Paraná inicia pesquisa com pais e dos professores sobre volta às aulas

Publicado em: 06/08/2020

A Secretaria de Estado da Educação do Paraná (Seed) lançou nesta quarta (5) uma pesquisa on-line que vai ouvir os pais e responsáveis de 1,07 milhão de alunos da rede estadual de ensino e mais 70 mil profissionais da Educação a respeito do retorno às aulas. A pesquisa pretende captar o posicionamento de todos os envolvidos sobre o assunto e faz parte do protocolo de segurança apresentado ao Comitê de Volta às Aulas. A data de um possível retorno será definida pela Secretaria de Estado da Saúde, em função da pandemia do coronavírus. Alguns estabelecimentos de ensino privado também iniciaram pesquisa sobre o retorno de aulas. 

A pesquisa  para a rede estadual ficará no ar até a próxima terça-feira, 11 de agosto, sendo que o seu resultado será divulgado no dia 14, sexta-feira. Será encaminhada aos pais e profissionais da rede por e-mail. Os pais também receberão o link por mensagem SMS. “Depois de criarmos um protocolo robusto e seguro de retorno às aulas, já aprovado pelas autoridades de Saúde, chegou a hora de ouvirmos os pais e professores da rede estadual de ensino”, disse o diretor-geral da Seed, Gláucio Dias. 

A Secretaria de Estado da Educação do Paraná (Seed-PR) divulgou no último sábado o Protocolo de Retorno de Aulas Presenciais no Paraná na íntegra. O protocolo já foi aprovado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e vale para rede pública e privada de ensino. O protocolo confirma o ensino híbrido, dividido entre aulas presenciais e online, a volta escalonada, mas dá às famílias o direito de escolher se os filhos retornarão às escolas:  "Estudantes que acompanham as atividades não presenciais de forma satisfatória e que demonstraram bom rendimento na avaliação diagnóstica, podem continuar exclusivamente em atividades não presenciais, se os pais ou responsáveis assim concordarem", diz o documento.  Os pais ou responsáveis que decidirem pelo retorno presencial do estudante deverão apresentar o termo de ciência assinado, no qual se comprometem que o aluno seguirá as normas de higiene, usará máscaras e que a escola será avisada em caso de sintomas de coronavírus. " Após amplo debate com todas as entidades que integram a Educação do Paraná, foi criado um modelo que garante a melhor segurança sanitária para nossos alunos, adotando os melhores modelos do Brasil e do mundo”, diz Gláucio Dias. De acordo com o documento, os estudantes serão divididos em grupos, que farão revezamento permanecendo por uma semana em aulas presenciais e por uma semana em aulas remotas (on-line). As escolas terão que fazer o levantamento sobre quantos alunos retornarão às aulas e quantos continuarão no ensino online, para organizar o retorno de maneira que haja o distanciamento mínimo de 1,5 metros. 

VEJA O PROTOCOLO PARA RETORNO DAS AULAS PRESENCIAIS NA ÍNTEGRA

As aulas de Educação Física deverão ser feitas remotamente ou substituídas por aulas teórica. Também é recomendado o fechamento da biblioteca, laboratórios de informática, laboratório de ciências, salas de projeções, brinquedoteca e piscinas "Sugere-se que as crianças não levem seus próprios brinquedos para a escola, cabendo às escolas disponibilizá-los, bem como garantir sua limpeza e higienização, imediatamente após o uso, ficando vedado o compartilhamento de objetos entre as crianças", afirma o protocolo.

Transporte escolar deverá circular com 50% da capacidade

Segundo o protocolo de retorno às aulas, os veículos de transporte escolar deverão reforçar as medidas de higienização do interior dos automóveis e do sistema de ar condicionado, respeitando o limite de ocupação de 50% (cinquenta por cento) de sua capacidade, sendo obrigatório o uso de máscaras, por todos os integrantes do veículo, durante todo o trajeto, devendo, ainda, as mochilas, serem higienizadas no momento da retirada do veículo, antes da entrega para a criança, professor ou pais ou responsáveis.
Os veículos ainda deverão manter janelas abertas, evitando-se o uso de ar condicionado e os bancos deverão ser marcados para não utilização a fim de manter o distanciamento: "Recomenda-se aferição da temperatura dos estudantes no momento da entrada no transporte. Realizar higienização das mãos durante os momentos de embarque e desembarque".

Veja mais detalhes do Protocolo de Retorno das Aulas

Distanciamento

O protocolo prevê um distanciamento de 1,5m em todos os espaços, incluindo na sala de aula. Será feita também a aferição de temperatura de todos que entrarem a escola, tendo como limite 37º.

Horários de aula

Já os horários de entrada e saída, e intervalo/recreio devem ser redefinidos e intercalados, de modo a evitar a aglomeração de pessoas e a circulação simultânea de grande número de alunos, nas áreas comuns e nos arredores do estabelecimento.

Modelo híbrido e escalonado

O ensino híbrido será adotado. As aulas remotas permanecem diariamente e as aulas presenciais ocorrerão de forma escalonada. Para isso, os estudantes serão divididos em grupos, que farão revezamento permanecendo por uma semana em aulas presenciais e por uma semana em aulas remotas (on-line). A retomada de conteúdos também é uma das preocupações do protocolo, com atividades, recuperação e atendimento de estudantes com maior dificuldade.

Volta escalonada

Quando a data for definida pela Sesa o protocolo prevê um retorno gradual, por faixa etária, na seguinte ordem:

- Estudantes do 3º ano do Ensino Médio e 9º ano do Ensino Fundamental

- Estudantes do Ensino Médio

- Estudantes do Ensino Fundamental I e II

- Estudantes da Educação Infantil (menores de 2 anos não voltam por enquanto)

Entre as principais medidas sanitárias previstas pelo protocolo estão a compra de insumos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para todos. Só para a rede estadual serão adquiridos:

- 5 milhões de máscaras de tecido

- 200 mil litros álcool em gel por mês

- 200 mil litros de álcool 70% por mês

- 95 mil luvas

- 10 mil termômetros

- 15 mil toucas

- 105 mil dispensers

- 15 mil macacões

- 15 mil botas

Quem definiu o Protocolo

Participaram das 33 horas de discussão do Comitê de Volta às Aulas a Casa Civil do Governo do Paraná, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte-SEED, a Secretaria de Estado da Saúde – Sesa, a Secretaria de Estado do Planejamento e Projetos Estruturantes – Seplan, a Secretaria de Estado da Fazenda, a Comissão de Educação Assembleia Legislativa do Paraná- ALEP, o Ministério Público do Estado do Paraná – MPPR, o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional – FUNDEPAR, o Conselho Estadual de Educação – CEE, a UNICESUMAR, a Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior-SETI, a APP-Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná, o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Estado do Paraná- SINEPE, a Associação dos Municípios do Paraná-AMP, a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação do Paraná- UNDIME, a UNCME-União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação e a Federação das Associações de Pais, Mestres e Funcionários das Escolas Públicas do Estado do Paraná- FEPAMEF-Pr.

Fonte: Bem Parana

Mais fotos

MAIS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE